quinta-feira, 11 de julho de 2013

ORAÇÕES ADJETIVAS

1. Classifique as orações grifadas abaixo.

a) “Iracema não se ergueu mais da rede onde a pousaram os braços aflitos de Martim.” (Alencar)

b) “Trocadas estas palavras, que foram rápidas, Camilo procurou com os olhos a outra cavaleira.” (Machado)

c)  “Um dedo inchou demais, e foi necessário que lhe cortassem o anel com lima.” (G. Ramos)

d) “O trapaceiro sabia bem com quem tratava.” (Paulo Setúbal)

e) “Quando a noite cair, fica à janela e contempla o infinito firmamento.” (Bilac)

f) “Envelheçamos rindo. Envelheçamos como as árvores forte envelhecem.” (Bilac)

g) “Era tal a serenidade da tarde, que se percebia o sino de uma freguesia distante, dobrando a finados.” (Júlio Dinis)

h) “É o que eu diria e direi, se ela me consultar um dia.” (Rui Barbosa)

i) “Mas não julguemos, porque não venhamos a ser julgados.” (Rui Barbosa)

j) “O cavaleiro não se deteve, que lhe pareceu haver gente emboscada.” (Vieira)

k) “Conquanto tantas vezes repetida, aquela festa era sempre nova em Lisboa.” (Rocha Pombo)

l) “Segundo parece, os escassos monumentos históricos dessa época cederam, por fim, não à usurpação, mas à fortuna e ousadia.” (Herculano)

m) “Vamos dormir, que é tarde.” (M. de Assis)


n) “O fato é que o poeta versejou muito em nossa terra.” (Rubem Braga)

Nenhum comentário:

Postar um comentário